segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Belas lembranças com Bon Jovi

Se existem músicas de uma banda que cumprem, com primazia, o seu papel de trazer à tona excelentes lembranças, sem dúvida, são as do Bon Jovi. O som gostoso embala diversas situações da vida, por terem letras profundas e inspiradoras. As canções fazem recordar momentos especiais e parecem marcar acontecimentos da vida dos ouvintes que a apreciam.

It's my life

Quando esta canção, do álbum Crush (2000), começa a tocar, parece que, de repente, surge uma animação, uma garra, uma sensação de quero mais. Vem à cabeça aquele lance de aproveitar a vida, de viver com vontade... 


Always 

Quando se está apaixonado, o que não faltam são canções do Bon Jovi para ilustrar, com perfeição, os diversos sentimentos que essa sensação provoca no ser humano. Agora, se puder escolher uma, seria esta música. O vocalista interpreta maravilhosamente a ideia de amar alguém e acreditar que essa pessoa é a única...


Never say goodbye

Uma canção que desperta sentimentos de nostalgia e faz pensar em tudo de positivo que aconteceu na sua vida e que, por isso, você não quer que termine. Foi lançada no auge da carreira da banda (1987).


These days

Ao mesmo tempo que faz refletir sobre como antes as pessoas encaravam a vida de uma maneira mais positiva, esta canção fala de esperança, ressaltando que nunca é tarde para mudar e fazer sua parte.




domingo, 21 de outubro de 2012

A mais nova balada do Aerosmith

É incrível o poder que o Aerosmith tem, especialmente pela poderosa voz de Steven Tyler, de transformar canções cujas letras são água com açúcar em êxitos. Ao longo de mais de 40 anos de estrada, a banda coleciona várias baladas que viraram hits absolutos. Alguns exemplos são Crazy, Cryin', Amazing (a tríade mais conhecida da banda), Hole in my soul, Angel, Dream on, What it takes, You see me crying, entre vários outros.

A mais recente música romântica do grupo que já está chamando a atenção dos fãs de baladas do estilo hard rock chama-se What could have been love. E já prevendo que a canção fará bastante sucesso, Aerosmith acabou de lançar o videoclipe, que, assim como os hits mencionados acima, tem uma super produção e conta uma história de amor. Shine and Rock aprovou!




A canção faz parte do mais recente álbum da banda chamado Music for another dimension, que promete ser lançado no início do mês que vem.

domingo, 7 de outubro de 2012

Poison: uma hair band de sucesso

Os anos 80 foram o auge das hair bands - grupos de rock, especialmente de hard, que primavam por apresentar um visual exagerado e colorido. Os cabelos? Sempre despenteados ou com laquê ou  permanente. Brilhos e diferentes prints eram presença constante nas roupas. Enfim, marcaram época e garantiram canções interessantes e videoclipes engraçados.

Uma das bandas desse estilo chama-se Poison. A formação original, que fez bastante sucesso em meados da década de 80, contava com Brett Michaels no vocal, Bobby Doll, no baixo, CC DeVille, na guitarra, e Rikki Rokket, na bateria. Como bons componentes de uma hair band, abusavam dos figurinos pra lá de extravagantes e, ainda, usavam maquiagens.

Que tal relembrar cinco vídeos dessa época?


  1. Unskinny boop

  2. Fallen angel

  3. Cry tought

  4. Ride the wind

  5. Talk dirty to me

sábado, 6 de outubro de 2012

O sonho de ver AC/DC


Como boa amante do rock n' roll, já tive a oportunidade de apreciar alguns shows de peso, inclusive, bem de perto do palco. Acredito, piamente, que ver seus ídolos a pouco metros é uma sensação maravilhosa. Ouvir ao vivo as músicas que você adora, e sempre cantou, também é sensacional. Só quem gosta mesmo sabe do que estou falando. Sabe que shows de rock são, realmente, investimentos.

Falando nisso...

Há apresentações de vários grupos que ainda anseio ver; inúmeras, na verdade. Agora, se existe uma banda que sonho ver há muito, muito tempo, é AC/DC. Sim, tenho certeza de que é O espetáculo. Pessoas que tiveram a oportunidade de assistir ao último show no Brasil me confirmaram: é alucinante do início ao fim. Como tenho o DVD Live in River Plate, confio 100% no que falaram.

Pensa só assistir ali na sua frente a execução de Hells Bells? E You shook me all night long? E ainda Back in black, Thunderstruck, TNT, It's a long way to the top if you wanna rock n' roll, The Jack, Highway to hell... Só de imaginar, fico em êxtase!

Outro ponto importante é ver os artistas e todas suas nuances, em especial um dos melhores guitarristas que existem e, sem dúvida, um ícone: Angus Young. Novamente faço alusão ao que já me disseram: ele faz um show à parte e cada trejeito dele ganha toda a plateia.

Vale sonhar!

Boatos do mundo do rock vivem tentando acabar com a esperança de ver AC/DC no Brasil novamente. É um tal de Brian Johnson estar doente, do grupo não querer mais fazer turnês, dos artistas não terem aceitado tocar em um estádio de futebol, entre várias outras. Mas, como boa fã, acredito que vale sonhar. E, se um dia, a banda voltar, estarei lá, curtindo cada segundo da apresentação de uma das maiores bandas de hard rock de todos os tempos!

Foto: site oficial da banda

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Um ano do show do Metallica no Rock no Rio 2011

Impossível esquecer aquele frio domingo, 25 de setembro de 2011, no Rio de Janeiro. A cidade inteira parecia estar ansiosa para começar logo o dia do metal. Pelos calçadões das praias, turistas de todo o País passeavam vestidos de preto: visual básico. Os ônibus, vans e taxis recolhiam das ruas os fãs das bandas que tocariam no festival. Mas a grande atracão do dia era, sem dúvida, o Metallica.

Já na cidade do rock, a ansiedade para ver James Hetfield e cia somente crescia. Heinekens à vista e, após um rápido lanche, era hora de pegar um lugar estratégico - quanto mais perto do palco, melhor. As duas primeiras apresentações, respectivamente de Gloria e Coheed and Cambria, levantaram o público com covers do Pantera e Iron. Lemmy e seu Mothorhead esquentaram com seus hits. Embora o show seguinte, do Slipknot, tenha enlouquecido a galera, já passava da hora do Metallica apresentar o melhor show do RIR 2011.

Do you feel it?

Estava tocando a música It's a long way to the top do AC/DC, quando, de repente, todas as luzes se apagaram. Impossível não se arrepiar com a execução do The ecstasy of the gold. Quando, então, começou Creeping death, o sonho começou a se realizar. A vontade de ver aquele show e aproveitá-lo ao máximo, com certeza, era a vontade dos cerca de 100 mil espectadores.

As vibrações eram tão positivas e cheias de energia que James parecia estar no céu ao cantar. Trujillo fez valer a famosa linha de baixo em From whom the bells tolls. Vieram Fuel, Ride The lightning, Sanitarium, Fade to black... depois alguns hits do álbum Death Magnetic, como Cyanide e All nightmare long. Tudo maravilhoso para quem assistia a poucos metros de distância.

O momento

Há exatamente um ano, reafirmo que o momento mais marcante do show foi quando a banda tocou Orion. Sinceramente, parecia mentira de tão bom de ver e ouvir! Alguns presentes comentavam que o melhor baixista fora o Cliff Burton. E ele ganhou sua justa homenagem, pois alguns sortudos que conseguiram ficar na frente levaram uma grande faixa - feito este que emocionou todo o grupo.

Engraçado que parece que a ficha somente caiu após a explosão de hits como Blackned, Sad but true, Master, Enter Sandman, One... Aliás, sensacionais os shows de pirotecnia! Nessa hora, parecia que todos estávamos dentro de um DVD do Big 4... (Como tenho, sabia exatamente a sequência).

Estamos juntos

A interação da banda com o público é fantástica e os artistas puderam comprovar isso no RIR. James se arriscou a falar algumas palavras em português e as mais célebres foram em forma de pergunta: "Estamos juntos?", dizia ele com um sotaque nota 10. Outro ponto é que, notoriamente, ele estava encantado de voltar a tocar Rio de Janeiro, já que citou o nome da cidade várias vezes, empolgando a plateia com o seu "Rio, do you feel it?".

No bis, I am evil, Whiplash e, obviamente, Seek and destroy. Nesta canção, várias bolas de plástico foram lançadas ao público, para mais momentos de delírio.

Acredito que o show durou pouco mais que duas horas. Para que mais?  O importante foi estar lá e o mais à frente possível, sendo empurrada, gritando, curtindo todos os momentos do melhor show da edição de 2011- o mais rock, literalmente.

São tantos detalhes... Escrever é uma delícia, mas neste caso vale a máxima: só sabe quem esteve lá! Afinal, o dia 25/09/11 ficou marcado na memória de todos aqueles que viveram e respiraram metal na cidade do rock. Sensacional.

sábado, 22 de setembro de 2012

Aerosmith cover deixa público em êxtase

Puro êxtase. Delírio total. Intensa alegria. Estas foram as sensações que o show do Aerosmith cover, que aconteceu ontem, no Samauma, em Goiânia, despertou no público. Quem esteve presente aproveitou cada segundo da fantástica apresentação da banda paulista Fever, cantou todas as músicas em coro e saiu com a sensação de quero mais.

Os artistas fizeram um show completo, com direito a solos e interpretações fiéis à banda, inclusive relembrando a intensa parceria entre Steven Tyler e Joe Perry. Os lenços no microfone estavam lá e o vocalista cover impressionou pela semelhança com o original. A voz? Também!

Mix de sucessos

A banda tocou os principais hits do Aero, os quais, aliás, eram conhecidos do público, que os entoou a uma só voz, tornando o show super interativo. Falling in love, Eat the rich, Love in an elevator, Cryin', Jaded, Fly away from here, Dude's like a lady, Train keep A-Rolling foram alguns sucessos. A mais pedida, cantada, esperada foi, é claro, Crazy

Algumas particularidades do show:
  • O público pediu, incessantemente, a canção Hole in my soul. O vocalista, entretanto, disse que o grupo não a tocava por achá-la "chata". Por alguns segundos, os fãs do Aero fizeram cara de decepção, a qual foi desmanchada quando o artista começou a cantá-la à capela e, em seguida, o grupo todo acompanhou. O solo do "Joe Perry"? Indefectível. Momento ímpar, já que é raro covers tocarem a bela canção;
  • A execução da linda música do álbum Pump (1989), What it takes, foi a surpresa da noite. Apesar de ser considerada um pouco lado B, por aqueles que não são tão apreciadores do Aero, quem estava no pub ontem a cantou toda e com bastante empolgação;
  • O momento "emoção" da noite foi quando o vocalista anunciou que tocaria a canção de que mais gosta. Em segundos, o público viajou ao som de Dream on e do verso Dream untill your dream come true;
  • A pedido do público, que solicitou a sua execução em coro, veio a penúltima: Angel. Os rostos dos artistas denunciaram que tocar esta canção é um prazer para eles;
  • Living on the edge foi a música escolhida para encerrar o show. Sensacional. Maravilhosa. E o público aplaudiu, com gosto, a excelente banda cover, demonstrando que, em Goiânia, tem, sim, gente com bom gosto musical.
Enfim...

Em outra oportunidade, se não me engano há uns três anos, já tinha visto um show desta banda. Continua sensacional. A minha visão é que mudou, pois, anteriormente, não tinha apreciado um show do Aerosmith. Hoje, confirmo o que vi a alguns metros na minha frente, na apresentação do grupo no Palestra Italia em São Paulo, no dia 29 de maio de 2010: é a banda mais importante para mim, pois foi a que me ensinou a gostar, mesmo, de rock, aos nove anos de idade. Então, assistir a um cover do Aero é relembrar e reviver cada detalhe desse dia inesquecível.

Confira o site da banda Fever: http://www.aerosmithcover.com/

domingo, 16 de setembro de 2012

Hot songs

Em uma época em que a maioria das regiões do Brasil está tomada pelo calor, que tal uma lista de canções de rock que contêm a palavra Hot?

O interessante é que todas são animadas e levantam qualquer um. Tem Metal, Hard Rock, Glam Rock... e, para finalizar, a música mais famosa de Red Hot Chili Peppers; afinal, é a banda mais lembrada ao pensar na palavra Hot.

  1. Kiss - Hotter like hell

  2. Van Halen - Hot for teacher

  3. Hardline - Hot cherie

  4. Pantera - Hot n' heavy

  5. AC/DC - Get it hot

  6. Motley Crue - Red hot

  7. Rolling Stones - She was hot

  8. Led Zeppelin - Hot dog

  9. Kix - Hot Wire

  10. Red hot chili peppers - Give it away


sábado, 15 de setembro de 2012

Essenciais do Whitesnake

Whitesnake é uma das bandas mais importantes de hard rock que existem. Surgiu no final dos anos 70 e atingiu êxito total na década seguinte. Tem como vocalista David Coverdale - uma das vozes mais poderosas do estilo musical. Há mais de 30 anos na estrada, o grupo faz bastante sucesso até hoje. As últimas apresentações no Brasil foram no ano passado. Confira fotos do show feito em Brasília há exatamente um ano.

Músicas-destaque

Em tanto tempo de vida, a banda coleciona bastantes sucessos, mas há algumas canções consideradas essenciais. Shine and Rock recomenda!

  1. Still of the night - 1987

  2. Here I go again - 1987

  3. The deeper the love - 1989

  4. Don't break my heart again 

  5. Love ain't not stranger - 1984

  6. Fool for you loving -1989

  7. Crying in the rain - 1987

  8. Guilty of love - 1984


  9. Is this love - 1987





sábado, 25 de agosto de 2012

25 anos do lançamento de Appetite for destruction

Existem inúmeras bandas de rock, vários álbuns lançados, incontáveis canções espalhadas por aí. No mundo do hard rock, então...

Se fôssemos elencar os principais discos deste estilo, a seleção, com certeza, seria bem difícil. Entretanto, um deles, lançado há 25 anos, não poderia faltar de modo algum na referida lista.

Julho de 1987. O mundo presenciou o lançamento de Appetite for destruction - o primeiro álbum da então não tão conhecida banda Guns n' Roses. Segundo relatos, imediatamente não fez "aquele" sucesso, mas, aos poucos, o público deu crédito à hair band e às 12 canções que compõem o já mítico disco.

Depois de tanto tempo de lançamento, o álbum ainda é considerado, pela maioria dos gunners, como o mais completo e o que contém as melhores músicas do início ao fim. Shine and Rock concorda!

Capa famosa


O disco em vinil é considerado uma relíquia. A capa é famosa pela imagem agressiva e impactante, que casa muito bem com o título. A contra capa não deixa a desejar; pelo contrário, apresenta a foto dos integrantes originais (Axl, Slash, Duff, Izzy e Steve Adler) super novos e com muita expectativa pela frente.

Hora de recordar as 12 músicas!

  1. Welcome to the jungle
  2. It's so easy
  3. Nightrain
  4. Out ta get me
  5. Mr. Brownstone
  6. Paradise city
  7. My Michelle
  8. Think about you
  9. Sweet child o' mine
  10. You're crazy
  11. Anything goes
  12. Rocket queen
E aí, qual é a mais top?

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

The Who e sua época áurea

É incrível como, ultimamente, grupos formados há muitos anos e que alcançaram sucesso estrondoso têm ressurgido. Excelente! Todos os pontos a favor, pois, assim, os novos ouvintes podem ter momentos de deleite e apreciar as boas músicas de rock - tão raras hoje em dia.

A banda que tem despertado a atenção de jovens apreciadores, por ter encerrado as Olimpíadas de Londres 2012, chama-se The Who. É composta por senhores, que tocam ocasionalmente hoje em dia, e tem sua importância no cenário há quase 40 anos. Com um dos guitarristas mais emblemáticos que existem (Pete Townshend), famoso por ter quebrado inúmeras guitarras no palco, marcou por lançar vários clássicos, entre eles o mais famoso: My Generation, e teve ainda um feito histórico: a ópera rock Tommy, simplesmente sensacional.

Vale a pena investigar a banda inglesa, ouvir os hits e, por que não, canções desconhecidas. Mais interessante ainda é assistir aos vídeos da época áurea de The Who. Dica: comece por Pinball Wizard agora.




sábado, 11 de agosto de 2012

Top 10 para o sabadão

Sábado especialmente é dia de rock! Então, que tal uma seleção de músicas indispensáveis e que, com certeza, oferecem a vibração e animação necessárias para o sabadão?

  1. Enter sandman - Metallica



  2. Thunderstruck - AC/DC

  3. Paradise city - Guns N' Roses

  4. Livin' on a prayer - Bon Jovi

  5. Jump - Van Halen

  6. Looks that kill - Motley Crue

  7.  Another one bites the dust -  Queen 

  8. Still of the night - Whitesnake

  9. The trooper - Iron Maiden

  10. Pet sematary - Ramones

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Top 3 - Deep Purple

Ao lembrar de Deep Purple, a música Smoke on the water vem imediatamente à cabeça. É como falar Guns n' Roses e pensar em Sweet child, citar Kiss e já lembrar de Rock and roll all nite e, ainda, AC/DC e o início de Back in black começar a ecoar. São canções tão conhecidas pelo público, roqueiro ou não, que parecem ser os cartões de visita das bandas.

Voltando ao Deep Purple: a mencionada canção é ótima, tem um solo indefectível, letra interessante e tudo mais. Entretanto, a banda em questão tem inúmeras outras músicas, na opinião de Shine and Rock, que merecem seu devido destaque. E têm, sim, sua importância, especialmente pelos apreciadores que acompanham a importante banda inglesa, cujos membros, quase sessentões, continuam a fazer sucesso.

Três imperdíveis:

  1. Highway star - o agudo do vocalista Ian Gillan é sucesso absoluto;
  2. Perfect strangers - tem um quê de nostalgia e cara de balada;
  3. Burn - da época em que David Coverdale foi o vocalista.

terça-feira, 31 de julho de 2012

Um brinde à vida com Queen

Algumas canções têm o imenso poder de tornar o dia melhor, pois primam por passar mensagens ricas e motivadoras. Uma delas chama-se Don't stop me now, do Queen.

Com uma letra inspiradora, que reforça a importância da empolgação e diversão, aliada à perfeita mescla de sons e efeitos dos instrumentos musicais, a canção, que foi lançada há mais de 30 anos, é um brinde à vida. Confira este verso:

"Don't stop me now
I'm having such a good time
I'm having a ball
Don't stop me now..."


Então, que tal recordar a bela música?

terça-feira, 10 de julho de 2012

Cover paulista do Kiss, DESTROYER arrebenta em Goiânia

Você sente quando uma banda está, de fato, afim de tocar em um lugar. Sente quando o objetivo da sua apresentação é proporcionar excelentes momentos para o público, independentemente da casa estar lotada ou não. Sente, ainda, que valeu cada segundo a sua presença no show, pois ela foi valiosa e contribuiu para a alegria da banda.

Esse foi o resumo da apresentação de um dos mais aclamados covers do Kiss do mundo, a paulista DESTROYER, que tocou em Goiânia, na última sexta-feira (06/07), no Samauma. O público, simplesmente, delirou a cada movimento dos músicos, devidamente caracterizados com as maquiagens e indumentárias do Kiss, além, é claro, da famosa pirotecnia, com fogos e labaredas.

O público se manteve fiel, o tempo todo na frente, saboreando a oportunidade de assistir à teatral apresentação. Os quatro músicos representaram a época gloriosa do Kiss nos anos 70, cujos integrantes eram Paul Stanley (vocal e guitarra base), Gene Simmons (vocal e baixo), Ace Frheley (guitarra solo) e Peter Criss (bateria).

Não faltaram hits absolutos como I love it loud, Black diamond, Lick it up, Rock hard, I'm alive, Shout it out loud, Hard luck woman, entre vários outros. Agora, se puder escolher três canções que, definitivamente, marcaram a apresentação do DESTROYER, escolheria três:
  • I was made for lovin' you - de repente, tudo fica escuro e Gene Simmons toma conta do palco, tocando uma sensacional linha de baixo. O público delira; de repente, fazendo jus à fama, começa a cuspir sangue, surpreendendo todos os espectadores. Em seguida, ele toca essa canção;
  • Rock and roll all nite - a canção mais esperada por todos os presentes foi brilhantemente executada. E Paul Stanley não se conteve, descendo do palco ao encontro do público, o qual majestosamente cantou junto "I wanna rock and roll all nite, a party every day", transformando em um momento inesquecível;
  • Detroit rock city - a apresentação da música, cujo título inspirou o nome da banda cover, teve um gostinho especial: duas crianças, loucas por Kiss, foram chamadas para cantá-la no palco. Pais, mães, público em geral e banda cantaram junto, finalizando o show com chave de ouro.
O grupo, super solícito, deixou-se fotografar ao longo da apresentação, fazendo caras e bocas. Não se pode esquecer os fantásticos solos de guitarra de Ace Frheley e de bateria com Peter Criss. E, após o show, os quatro integrantes saíram para atender os fãs, ávidos por fotos.

Em resumo: DESTROYER
conseguiu realizar um show perfeito, com todas as nuances que a homenagem ao Kiss merece, garantindo ao espectador mais do que uma apresentação que bandas cover costumam fazer. Eles tocaram com o coração e com toda a teatralidade necessária.

Parabéns, DESTROYER!



Conheça o site da banda:  www.destroyerkiss.com.br

Fotos:
acervo pessoal e site O que rola

sábado, 7 de julho de 2012

Top 10 - Kiss

Kiss é uma das bandas de hard rock mais celebradas de todos os tempos, cujas canções passeiam por estilos agitados e suaves. Confira um top 10:

  1. Rock & Roll all nite

  2. Forever

     
  3. I was made for lovin' you

  4. Heaven's on fire

  5. Destroy rock city

  6. Crazy, crazy nights

  7. I love it loud

  8. Hard luck woman

  9. Lick it up

  10. Beth

     

terça-feira, 3 de julho de 2012

O tal poeta Jim Morrison

Há exatos 41 anos, o mundo perdia um dos seus poetas do rock: Jim Morrison, vocalista da mítica banda The Doors. Sem ele, o grupo tentou seguir carreira, mas sem o tal poeta não tinha mais graça, já que ele era, indubitavelmente, o corpo e a alma da banda, e cuja interpretação das canções marcou para sempre, pela sua entrega total.

Morrison, segundo livros e outras fontes, queria mesmo ser poeta. E pôde exercer a sua arte com bastante destaque durante seis anos, tempo no qual esteve à frente do The Doors. Outro ponto a ressaltar sobre a personalidade do artista eram suas atitudes provocadoras tanto no palco quanto fora dele. Ele deixou o mundo no dia 3 de julho de 1971, quando foi encontrado morto na banheira do seu apartamento, em Paris.

Poeta homenageou dois outros poetas

O nome da banda foi retirado do livro The doors of perception, de Aldous Houxley, na moda nos anos 60. Este autor se baseou no poeta da época áurea do Iluminismo, Willlian Blake, cuja famosa citação é: "If the doors of perception were cleansed everything would be appear to man as it is, infinite" - "Se as portas da percepção estivessem limpas, tudo pareceria ao homem como é: infinito"

sábado, 30 de junho de 2012

100 Riffs de Rock

No mundo maravilhoso da Internet, às vezes, descobrimos relíquias. Cada segundo deste vídeo, que conta, por meio de cem riffs, um resumo da história do rock, vale ouro. Deliciem-se!


Love songs

As músicas de rock que falam de amor sempre têm um detalhe a mais ou um elemento surpresa, como um interessante solo de guitarra, uma bela voz, rouca ou aguda, um videoclipe fantástico, uma letra inspiradora...

Confira esta seleção de dez love songs bem marcantes:

  1. Love of my life - Queen





  2. More than words - Extreme





  3. I live my life for you - Firehouse





  4. More than a feeling - Boston




  5. I don't wanna miss a thing - Aerosmith





  6. This ain't a love song - Bon Jovi





  7. Forever - Kiss





  8. Since I don't have you - Guns n' Roses





  9. To be with you - Mr. Big





  10. Can't stop lovin' you - Van Halen


          

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Led Zeppelin e Pink Floyd: referência de rock dos anos 70

Os anos 70 foram extremamente importantes para propagar e popularizar o rock ao redor do mundo. Sim, nessa época, os adeptos ao estilo cresciam vertiginosamente, pois contavam com mais opções de bandas. Essa década foi, ainda, o auge dos vinis (ou LP's), possibilitando as festas regadas a rock n' roll.

Agora, ao pensar na década de 70, embora, nessa época, existissem muitos grupos importantes e que fizeram história, imediatamente veem à cabeça duas bandas: Led Zeppelin e Pink Floyd, as quais, são, para a maioria, os pais do hard rock e do metal, e do rock progressivo, respectivamente.

Led Zeppelin


A importância da banda para o rock é ímpar. Os músicos britânicos Robert Plant (vocalista), Jimmy Page (guitarrista), John Paul Jones (baixista e tecladista) e John Boham (baterista), ao longo de 12 anos de carreira, lançaram três álbuns ao vivo. Veja abaixo os nove de estúdio:

  • Led Zeppelin I (1969)
  • Led Zeppelin II (1969)
  • Led Zeppelin III (1970)
  • Led Zeppelin IV (1971)
  • Houses of the holy (1973)
  • Physical Graffiti (1975)
  • Presence (1976)
  • In throught the out door (1979)
  • Coda (1982)
Maiores sucessos

Difícil elencar somente alguns, afinal, todas as músicas têm um caráter especial. Os maiores sucessos passeiam por baladas e agitadas, sempre com muitos solos de guitarra e bateria ao fundo. Enfim, deve-se ouvir: Stairway to heaven, Kashimir, Tangerine, Rock n' Roll, Immigrant song, Black dog, Thank you, Dancin' days, Whole lotta love, Dazed and Confused, etc.

Importante: a banda acabou em 1980, quando o baterista faleceu; Jimmy Page já foi considerado inúmeras vezes um dos melhores guitarristas que o mundo do rock já teve; Robert Plant seguiu carreira solo e tem, em seu currículo, várias belas canções como Darkness, Darkness.

Pink Floyd

A banda percorre um caminho mais longo, pois nasceu em 1965 e, embora escassamente, continua a se apresentar. Começou com o vocalista e guitarrista Syd Barret, que saiu do grupo em 1968, dando lugar ao sensacional David Gilmour. A formação clássica contava ainda com Roger Waters (baixista e vocalista), Richard Wright (tecladista) e Nick Mason (baterista).

Assim como Led, lançou álbuns incontestavelmente fundamentais para a história do rock, entre os quais a obra-prima The Dark Side of The Moon, de 1973. Outros discos de estúdio foram:
  • The piper gates of the dawn (1967)
  • A saucerful of secrets (1968)
  • More (1969)
  • Ummagumma (1969)
  • Atom heart mother (1970)
  • Meddle (1971)
  • Obscure of clouds (1972)
  • Wish you were here (1975)
  • Animals (1977)
  • The Wall (1979)
  • The final cut (1983)
  • A momentary lapse of reason (1987)
  • The division bell (1994)

Importante: Roger Waters saiu da banda em 1985, seguindo carreira de sucesso; Richard Wright faleceu em setembro de 2008; David Gilmour construiu carreira paralelamente ao Pink Floyd, lançando o exitoso disco On the Island em 2006; o álbum gravado ao vivo de maior sucesso do grupo foi PULSE, de 1994.

Fonte: Wikipedia
Fotos: Facebooks das bandas

terça-feira, 26 de junho de 2012

Axl Rose peruano canta Rocket Queen em programa de televisão

"Yo soy Axl Rose", avisou, com confiança, o peruano César Osorio, no programa Yo Soy, do Canal Frequencia Latina, veiculado no Peru ontem.

O artista fez uma interessante imitação de Axl Rose, cantando a música Rocket Queen, a última do primeiro álbum do Guns n' Roses, de 1987: Appetite for Destruction.

Confira o vídeo:




Fonte: periódico El Comércio

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Journey e suas baladas

Ao sintonizar em uma rádio especialista em flash-backs e baladas, é praticamente certeza execuções de canções da banda americana Journey, a qual existe há quase 40 anos  Apesar de ainda marcar presença no mundo da música (tocou no Brasil em 2011), foi nos anos 80 que atingiu sucesso total .

Uma característica marcante do grupo é presença do teclado- instrumento típico das bandas que fizeram sucesso na chamada década perdida. Journey chamou, também, a atenção pela troca de vocalistas. O primeiro foi Steve Perry (1977 a 1987). Depois, Steve Augeri (1998 a 2006). Jeff Scott Soto ficou apenas um ano (2006 a 2007), mas é um dos mais conhecidos. O atual vocalista é Arnel Pineda, de 2007 para cá e com o qual se apresentou no País.

The Voice

As mais belas canções do grupo, na opinião de Shine and Rock, coincidentemente, contam com o vocal de Steve Perry, quem, segundo alguns apreciadores, recebeu o apelido "The Voice". Os vídeos abaixo das músicas Don't stop believin', Faithfully e Open arms comprovam o porquê da interessante denominação.







Fonte: Wikipedia

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Let it be, Paul McCartney!

Quando era criança e perguntava para meus pais qual era a melhor banda do mundo; sem titubear, eles diziam "The Beatles". Cresci, então, ouvindo esse grupo e muitas outras relíquias musicais, entre elas: Pink Floyd, Led Zeppelin, Jimi Hendrix...

Voltando aos Beatles. Durante muito tempo me perguntei por que era a melhor banda do mundo. Investiguei, li, escutei, vi e, finalmente, constatei a importância do grupo. E concordei que, nos anos 60, eles reinaram absolutamente e eram, de fato, "os melhores do mundo". É só pensar: contestação à época, cabelos compridos à época, histeria explícita das garotas e admiração contida dos garotos, e rebeldia também. Sim, toda banda que se preze de rock, tem que ter a tal rebeldia. Enfim: se não fosse o quarteto fantástico de Liverpool, talvez o rock n' roll tivesse tomado outro rumo. Entretanto, é difícil pensar nessa hipótese; afinal, o que seria de nós, rockeiros, sem The Beatles?

Essa rápida reflexão acontece quando o mais bem sucedido dos beatles (vivo) completa 70 anos: Paul McCartney. Ele ainda faz e acontece. Sempre. Seus shows lotam. Todos querem ver e contemplar a lenda-viva e o legado musical fantástico que ele e seus ex-companheiros realizaram. E acredito, piamente, que quem foi uma vez ao seu show, quer ir novamente. O espectador quer ver cada ruga e entusiasmo de Paul. Cada ruga do Paul remete a uma situação, fato ou acontecimento, que o mundo inteiro pôde presenciar. Afinal o beatle entrou muito novo no grupo: com apenas 18 anos já se apresentava no Cavern Club, em Londres. E a partir daí todos os apreciadores conhecem a história.

Voltando à minha infância: lembrar dos Beatles é lembrar de Paul (o beatle dos quais meus pais sempre falavam, pelo menos nos anos 80. Talvez porque John Lennon já tivesse se ido). E ao lembrar de Paul, imediatamente me vem à cabeça esta canção, de 1969, e uma das últimas do grupo.

Gosto do som. Gosto da letra. Gosto muito de Let it be.

Happy birthday, Paul, and let it be!


domingo, 10 de junho de 2012

01/09: Dream Theater toca em Brasília

Os amantes de metal progressivo podem comemorar: Dream Theater, uma das maiores bandas desse estilo, desembarca no Brasil em agosto. Com toda certeza, os músicos não deixarão de fora do repertório clássicas como The Spirit Carries On, Another Day, Pull me Under e as mais recentes Forsaken (2007) e On the Backs of Angels (2011).

Isso mesmo: Dream Theater deve se apresentar em cinco cidades do Brasil, entre as quais a Capital Federal, no dia 1º de setembro. Ainda bem. DT estará mais perto de nós. Shine and Rock, sem dúvida, estará lá.

Então, é isso: daqui a dois meses é momento de aproveitar James LaBrie e cia com seu estilo inconfundível e técnicas invejáveis. O show promete ser um espetáculo digno de admiração. E, para ficar com aquele gostinho e vontade de chegar logo o primeiro dia do mês de setembro, que tal assistir ao fantástico videoclipe de On the Backs of Angels, do último disco da banda A Dramatic Turn of Events?


Fonte: site oficial da banda

domingo, 3 de junho de 2012

Sensacional: Izzy toca com Guns n' Roses em Londres

Há exatos três dias, o ex-guitarrista base do Guns n' Roses, Izzy Stradlin, ressurgiu. E por um excelente motivo: ele juntou-se à formação atual da banda para cantar algumas canções, em um show em Londres. Foram poucos, mas bons momentos de nostalgia pura.

Não é surpresa a aparição de Stradlin, afinal, ele tem um bom relacionamento com Axl Rose, e foi ele quem se demitiu da banda na turnê de Use your Illusion I e II, no início dos anos 90. E mais: Stradlin não se envolveu na polêmica da cerimônia do Rock n' Roll Hall of Fame, que aconteceu em abril, e que deixou fãs do mundo todo esperançosos de que Axl tocaria com a formação original do Appetitte for Destruction. Mera ilusão.

Enfim, confira abaixo a execução sensacional de 14 years e repare a felicidade de Axl Rose cantando com ele:



Aproveitando a sessão lembranças, vale a pena recordar, por meio do vídeo abaixo, um dos reencontros entre Axl e Duff McKagan no palco, em 2010. Emocionante. E a canção escolhida é You could be mine.



Agora, só nos resta sonhar que, um dia, reforçando, UM DIA, Axl possa tocar com Slash novamente...

Fonte: Guns n' Roses Brasil